quinta-feira, 3 de abril de 2014

Pira For Kids Apóia: POR UMA INFÂNCIA MAIS COLORIDA!

Contra a Ditadura do Azul e do Rosa, e apoiando a discussão iniciada pelos blogs Super Duper e Pequenices, o Pira For Kids inicia o Movimento Por Uma Infância Mais Colorida!






Todo dia é dia de mostrar que seu filho tem direito a uma infância colorida! Envie uma foto de seu filho ou filha mostrando que podemos, sim, fugir da ditadura do azul para meninos e rosa para meninas!


Para participar, envie sua foto para piraforkids@gmail.com

quinta-feira, 6 de março de 2014

5 medos reais que aterrorizam seus filhos

Já falamos aqui de alguns dos principais medos das crianças, e recentemente a revista americana Parents reuniu um grupo de especialistas em desenvolvimento infantil, como pediatras, psicólogos e professores, para falar sobre situações da vida real – deixando de lado monstros, fantasmas etc. -, que aterrorizam as crianças. Nem sempre a gente pode evitá-las, mas dá pra ajudar nossos filhos a passar por esses momentos de uma forma mais tranquila.

Bullying

O tão temido bullying, mais comentado quando acontece entre adolescentes, pode afetar a vida das crianças também. Em torno dos 5 anos, por exemplo, elas começam a disputar seu espaço no ambiente social, em casa e na escola. Robert Sege, diretor da divisão de família e defesa da criança do Centro Médico de Boston, nos Estados Unidos, explica que esse é o início da interação social, o que pode causar ansiedade: “Enquanto os professores reforçam a ideia de que todos são amigos, as crianças percebem instintivamente que isso não é verdade. E aquelas que são maltratadas pelas demais comentam com os pais ou simplesmente não falam nada, apenas choram e fazem birra”.

Observe o comportamento do seu filho, converse e se ele não se abrir tente falar com funcionários da escola, como o diretor ou coordenador. Em casa, mostre pra ele algumas formas de lidar com cada tipo de situação e informe os outros pais e professores o que está acontecendo.

Pessoas que praticam bullying ficam intimidadas em ridicularizar crianças que têm mais amigos, então encoraje o círculo de amizades do seu filho. Organize encontros entre os amigos na sua casa ou matricule-o em atividades extracurriculares, para que ele possa estar com seus colegas em ambientes fora da escola. Ter amigos em outros lugares vai construir a confiança do seu filho em suas habilidades sociais e ajudá-lo a se sentir mais seguro e menos vulnerável à ação dos chamados valentões.

Abuso doméstico
Mais de 10% das crianças dos Estados Unidos sofrem de violência doméstica, física ou emocional. Mesmo as crianças que não presenciam os atos violentos dos adultos são vulneráveis. O abuso emocional ou físico que ocorre a portas fechadas pode afligir as crianças menores ou maiores. “Quase todos os pais subestimam o quanto seus filhos podem ver ou ouvir”, afirma Dr. Sege. Para o especialista, os pais devem ter consciência de que a criança entende o que está acontecendo, por isso qualquer tipo de briga ou ambiente violento pode afetá-la.

Ela pode não expressar suas angústias verbalmente, mas demonstrar sua ansiedade tendo problemas na escola, chorando mais do que o normal ou até mesmo fazendo xixi na cama.

Divórcio dos pais

Para algumas crianças, não importa a idade, a separação dos pais traz muitos medos. O que mais assusta as crianças menores de 6 anos é o desconhecido – como vai ser daqui pra frente? A situação, geralmente estressante e triste, confunde os filhos, que passam a “questionar” o próprio futuro.

Para aliviar a ansiedade da criança, tente mostrar que está tudo bem, apesar das mudanças pelas quais todos estão passando. Se possível, deixe que ela continue na mesma escola ou no mesmo bairro (caso vocês tenham que mudar de casa) e mantenha sua rotina. Estabilidade, estrutura e conforto são muito importantes nesse momento.

Desastres naturais

Enchentes, tempestades, enxurradas, tudo isso pode amedrontar seu filho. E aqueles que já passaram por alguma dessas situações ficam ainda mais ansiosos, com medo de que possa se repetir. Crianças que tem pouco suporte emocional ou que são naturalmente tímidas ou emotivas são mais suscetíveis ao trauma. Algumas têm dificuldade em entender que alguns desastres podem acontecer em certas regiões, mas não em outras.

Se o seu filho der sinais de estresse em situações desse tipo, tente manter a calma e transmitir tranquilidade.

Violência e armas

Pode parecer exagero falar isso, mas muitas crianças têm medo da violência das ruas e de armas de fogo. Nos EUA, sede da revista Parents – onde foi feito o estudo –, as crianças têm medo de violência até mesmo quando estão dentro da escola, isso porque nos últimos anos não foram poucos os tiroteios que aconteceram nos colégios.

Aqui no Brasil, felizmente, isso não é tão comum, mas não deve de forma alguma ser ignorado – em 2011, um atirador matou 12 pessoas na Escola Municipal Tasso da Silveira, no Rio de Janeiro. Por isso, é importante que os pais expliquem para as crianças que esse tipo de incidente é relativamente raro. E fique de olho nas coisas que seu filho lê e assiste, ele pode estar sendo bombardeado de informações que ainda não consegue processar.

terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

26 dicas para economizar quando se tem filhos

Não é fácil fazer o dinheiro durar até o fim do mês com todos os imprevistos que sempre aparecem quando existem crianças na família. Mas é possível vencer este desafio. Confira o guia que preparamos com dicas importantes você se organizar e economizar.

1) Faça um diário financeiro
O primeiro passo é identificar onde você gasta a mais. Anote quanto ganha, as dívidas e a quantia que você pretende guardar (se esse é o objetivo). Não se esqueça de tomar nota mesmo das despesas pequenas, como as da padaria. No fim do mês, analise o diário para descobrir por onde o dinheiro está escapando.

2) Aceite que é necessário fazer escolhas
Quando a situação aperta, a família tem de entender que é preciso optar entre programas e compras. Por exemplo: ou vocês vão ao musical, ou compram aquela megapista de carrinhos.

3) Aproveite os programas gratuitos
Informe-se nos jornais e sites da sua cidade. Uma ótima sugestão é trocar o cinema por um piquenique em um parque público. Também vale planejar uma tarde de brincadeiras em casa com os colegas do seu filho.

4) Faça uma lista de compras
Antes de ir ao supermercado, anote o que está faltando na despensa. Assim, você não se perde entre as tentações das prateleiras. Planejar as compras semanalmente também evita exageros (comuns quando se fica um longo período sem ir às compras).

5) Não jogue comida fora
Com feijão, faça sopa; com arroz, carne assada ou o que sobrou da bacalhoada, prepare bolinhos. As frutas maduras demais viram compotas, geleias e recheios para bolo.

6) Combine parcerias no supermercado
Ao preparar a lista de compras, chame seu filho e explique que ele será responsável pelos sabonetes, por exemplo (evite salgadinhos e guloseimas). Ao se sentir responsável, ele não vai pedir bolacha nem fazer escândalo pelos corredores.

7) Negocie com seu filho

segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

8 dicas para tornar a sua família mais verde

Com pequenos gestos você e sua família podem ajudar a preservar a natureza. Que tal começar já?

Por uma alimentação mais natural
Embora sejam um pouco mais caros que os convencionais, os alimentos orgânicos – cultivados sem agrotóxicos ou fertilizantes – são mais saborosos e não colocam a saúde da família em risco. Além disso, ingredientes orgânicos tendem a ter maiores níveis de vitaminas, como os tomates.

Dê preferência a brinquedos verdes
Um brinquedo pode ser chamado de sustentável de duas maneiras: pela sua manufatura, ou seja, do que e como ele é feito; ou pela proposta na hora de brincar. Na primeira classificação, você sempre pode optar por produtos que são gerados a partir de, por exemplo, madeira reflorestada ou algodão orgânico. Mas conta também saber a respeito de sua embalagem e transporte, por exemplo. Já na forma de brincar, os artesanais agridem menos o ambiente dos que usam pilhas. Se essa for a opção naquele momento, utilize pilhas recarregáveis ou procure um posto de coleta para descartar as que deixaram de funcionar.

Deixe seu carro na garagem
Um carro emite cerca de cinco toneladas de dióxido de carbono na atmosfera por ano. Utilize transporte público sempre que puder ou adote a carona como meio de se locomover. Você pode se revezar com vizinhos ou pais de amigos dos seus filhos para o colégio e outros locais.

Faça passeios sustentáveis
Coloque a família em contato com a natureza em passeios a parques ou praias, mostrando, por exemplo, a variedade de plantas e animais do local, e orientando não deixar por lá nenhum tipo de lixo produzido durante o passeio. Nas compras, especialmente durante as viagens, prefira objetos de artesanato local.

Planeje suas compras
Sempre que tiver de abastecer sua casa com alimentos, prefira fazer pequenas compras em supermercados locais e feiras livres semanalmente. E nunca vá para eles sem uma lista!

Separe o lixo sempre
Você já sabe o lugar de plástico, papel, vidro e alumínio. Mas o que fazer com as embalagens sujas, já que é importante que elas sigam para a reciclagem limpas? Uma dica é reutilizar a água da máquina de lavar roupas. Porém, embalagens de papel ou papelão com resíduos alimentares (como caixas de pizza) não podem ser recicladas e são consideradas como orgânicas. Se seu bairro não possui coleta seletiva de lixo, procure postos de coleta ou cooperativas que reciclam todos esses materiais.

Adote um bicho
Em vez de comprar um filhote caro, adote um animalzinho. Procure um centro de zoonose na sua cidade e se cadastre. O processo de adoção é gratuito e os animais normalmente já vêm examinados, vacinados e castrados.

Economize recursos naturais
Além de banhos rápidos ou escovar os dentes com a torneira fechada, é preciso ainda tomar outras providências, como adotar lâmpadas fluorescentes compactas (que utilizam cerca de 80% a menos de energia do que as convencionais) ou desligar os aparelhos elétricos pelo botão liga/desliga (o modo stand-by chega a responder por 25% do consumo desses equipamentos).

Fontes: Instituto EcoFuturo e Akatu, via Revista Crescer

sexta-feira, 14 de fevereiro de 2014

Final de Semana!


Oficina de Máscaras e Massinha de Modelar
Sábado, dia 15
Loja Pirilampo Brinquedos Criativos em parceria com a Criare
A oficina de massinha tem como objetivo estimular a criatividade, motricidade, controle da força muscular e aquisição de conceitos como constância da massa, causa e efeito, atenção e concentração. A oficina de máscaras tem como objetivo estimular a criatividade, imaginação, harmonia, percepção de cores e noção de estética. Para crianças a partir de 4 anos.




A Hora É Agora
Sábado e Domingo, dias 15 e 16, das 9:30 às 17:30 horas // Sesc Piracicaba
Uma séria de atividades abertas a todas as idades: de jogos que estimulam o movimento a brinquedos que permitem o exercício da imaginação e da criatividade. Na área de exposição.




Da Brincadeira ao Esporte: Slackline
Sábado e Domingo, dias 15 e 16, das 13:30 às 15:30 horas // Sesc Piracicaba
Aos finais de semana, uma série de atividades abertas a todas as faixas etárias para que você experimente novas maneiras de praticar esportes. Na praça central.




Cena Criança: Baú de Histórias
Sábado, dia 15, às 16 horas // Sesc Piracicaba
Cia. Ópera na Mala. Utilizando bonecos de várias técnicas, teatro de sombras e muita música executada com instrumentos típicos, a dupla de contadores reinventa clássicos e contos de tradição oral de forma dinâmica e bem humorada. No enredo, um Rei quer ouvir histórias e oferece um prêmio para aquele que contar a mais longa. Prêmios FEMSA 2008 de melhor trilha sonora e no Festival Subótica da Sérvia/2011 de melhor atuação. No Teatro.




Contação de Histórias: Contos e Quitutes
Domingo, dia 16, às 11 horas // Sesc Piracicaba
Lendas adaptadas sobre o Saci-Pererê e a Cuca trazem ao público as raízes culturais brasileiras com suas receitas, ditos populares, cheiros e texturas. Na Comedoria.




1º Torneio de Aviões de Papel em Origami
Domingo, dia 16, às 13 horas // Sesc Piracicaba
O Professor OZ ensina pais e filhos a construir diversos tipos de aviões de papel em origami para depois organizar o 1º. torneio entre os participantes considerando as seguintes baterias: distância, looping e planação. No Ginásio.




Festa da Batata
A 3ª Festa da Batata será realizada entre os dias 13 e 14 de fevereiro (sábado), das 19h às 23h, e no dia 15 de fevereiro (sábado), das 18h às 24h, no Largo dos Pescadores, em frente ao barracão da Irmandade do Divino. O evento será realizado pela Associação Atlética Educando Pelo Esporte, em parceria com a Prefeitura Municipal de Piracicaba, por meio da Secretaria de Turismo e Secretária de Ação Cultural.

sexta-feira, 24 de janeiro de 2014

Escola x Trabalho: Saiba o que fazer para conciliar sua vida com as tarefas escolares de seu filho

Conciliar trabalho e a escola dos seus filhos é possível. Saiba o que fazer para estar sempre presente

Quando os filhos entram na escola, os pais também enfrentam uma mudança: o tempo que antes era gasto com brincadeira em casa se transforma na hora da lição de casa, com deveres tanto das crianças quando dos adultos.

Ter uma rotina na hora das tarefas da escola é importante e os pais devem estar atentos ao que acontece na educação dos filhos. Mesmo com os pais participando mais da rotina doméstica, as mães ainda são a maioria nas tarefas escolares.

A coordenadora pedagógica Flávia Cunha Lima, mãe de Júlia e Nina, dá algumas dicas para as mães que estão entrando na escola junto com seus filhos:

- Curiosa: cheque a agenda de seu filho, pergunte tudo que acontece na escola, conheça os amigos dele e demonstre interesse – participar das festas dos amigos e da escola é essencial.

- Orientação: fazer a lição junto com seu filho ou apenas conferir se ela foi feita? Descubra qual orientação a escola segue quando o assunto é lição de casa.

- Aqui: garanta que seu filho tenha um local limpo, iluminado e tranqüilo para fazer as tarefas da escola.

- Agora: converse com seu filho e defina o melhor horário para a lição de casa, respeitando o ritmo da casa e da criança.

- Relacionamento: mantenha uma relação positiva com a escola. Afinal, é um ambiente importante para o seu filho.

- Nada de culpa: sua falta de tempo não pode interferir na cobrança sobre o desempenho de seu filho na escola.

Flávia afirma que é possível, sim, gerenciar a casa, sua carreira e a escola dos filhos, basta que você demonstre interesse e esteja presente na rotina do seu pequeno.

Consultoria: Flávia Cunha Lima, mãe de Júlia e Nina, coordenadora pedagógica da Escola Manacá.


terça-feira, 21 de janeiro de 2014

14 alimentos fundamentais - e o que fazer se o seu filho não gostar deles

Para não ficar doente

1. ACEROLA
Essa frutinha é riquíssima em vitamina C, principal nutriente quando falamos em prevenção de gripes e resfriados. Não é à toa que sempre nos lembramos dela quando o nariz começa a escorrer. A acerola crua tem maior concentração dessa vitamina, mas a boa notícia é que a polpa congelada ainda apresenta índices elevados dela. Por isso, aposte em sucos geladinhos! Um copo de 200 ml ou uma xícara de chá da fruta já tem 100% das recomendações diárias de vitamina C.

Receita infalível
Uma sugestão diferente é servir a acerola cozida com alguns temperos (como tomilho) e usar a calda, salgada mesmo, como molho para peixes ou aves.

Se o seu filho não gostar de acerola
Substitua por frutas cítricas, como limão e laranja.

2. FÍGADO
Não é à toa que esse tipo de carne é tão citado quando o assunto é alimento nutritivo. Além de ser riquíssimo em ferro, o fígado de boi ou de galinha também é fonte de cobre, mineral responsável por reforçar as defesas do organismo. Um bife de fígado contém as doses recomendadas.

Receita infalível
O que normalmente incomoda as crianças é o sabor amargo do fígado. A dica para neutralizar esse gosto é deixá-lo de molho em suco de limão por cerca de quatro horas antes de preparar. Para a criança que não o aceita de jeito nenhum, a saída é usá-lo moído, misturado com outra carne moída, nas papinhas ou em hambúrgueres caseiros.

Se o seu filho não gostar de fígado
Frutos do mar, como ostra, caranguejo e lagosta, são boas fontes de cobre. Mas esses alimentos só devem ser introduzidos na dieta infantil a partir de 1 ano e em pequenas quantidades, uma vez que podem desencadear alergias.



Para crescer forte

3. LEITE
Fundamental para a formação de ossos e dentes, o cálcio, muito presente no leite e seus derivados, também é importante para a saúde dos músculos, pois age nas fibras. Esse nutriente é um dos poucos em que a quantidade diária a ser ingerida varia bastante na infância: vai de 270 mg no primeiro ano de vida para 800 mg aos 8 anos. Para se ter uma ideia, 200 ml de leite têm 230 mg de cálcio.

Receita infalível
Leite bem gelado batido no liquidificador é uma opção deliciosa e que tem cara de milk shake! Para cada copo de leite, junte uma colher de sopa rasa de cacau em pó e outra de mel (mas só a partir de 1 ano de idade).

Se o seu filho não gostar de leite
Prepare sanduíches com queijo, misture iogurte com frutas, ofereça torrada com requeijão no café da manhã.

4. PEIXE
Esse alimento deve estar no prato do seu filho (a partir de 6 meses de idade) de uma a duas vezes por semana, variando as espécies e prestando atenção em reações alérgicas. Ele é rico em vitamina D, nutriente fundamental para a calcificação normal do esqueleto, pois ajuda na absorção do cálcio. As espécies de água fria, como atum, salmão e sardinha, também são fonte de ômega 3, essencial para o desenvolvimento cerebral. Prefira os com poucos espinhos, como salmão e cação.

Receita infalível
Toda criança adora comer espetinhos. Então, por que restringi-los apenas ao churrasco? Inove e faça espetinhos de peixe. Só tome cuidado com o palito.

Se o seu filho não gostar de peixe
Invista também nos queijos e na gema de ovo, que pode ser introduzida na dieta infantil a partir dos 6 meses e meio.



Para ter energia

5. FEIJÃO
Esse alimento deve fazer parte do dia a dia do seu filho desde as primeiras receitas, pois é fonte de ferro, essencial na formação das hemoglobinas (responsáveis por transportar o oxigênio) e no combate à anemia, além do ácido fólico. Duas dicas quando falamos de feijão: oferecê-lo com algum alimento rico em vitamina C (como a couve), que aumenta a absorção do ferro de origem vegetal, e apostar na clássica dobradinha “arroz com feijão”. Eles realmente se completam, pois um aminoácido que não tem em um, tem no outro, e assim eles geram importantes proteínas para o funcionamento dos músculos.

Receita infalível
Institua na sua casa o dia da feijoada, que pode ser às quartas-feiras ou aos sábados, para seguir o calendário tradicional do nosso país. O prato não precisa seguir à risca a receita original, que é pesada. Feijão preto, farofa e laranja já criam o clima. Vale até colocar um bom samba como trilha sonora!

Se o seu filho não gostar de feijão
Tente outras leguminosas, como lentilha, ervilha ou grão de bico. Carne vermelha e legumes verdes, como brócolis e espinafre, também funcionam.

6. ARROZ
Rico em carboidratos, também é fonte de vitamina B1, fundamental para a transformação de açúcar em energia. É difícil uma criança não gostar de arroz, por isso aproveite os benefícios desse alimento. O branco tem mais carboidratos, mas a versão integral conserva mais nutrientes. Vale variar entre as duas no cardápio.

Receita infalível
Aposte nos risotos para deixar o arroz colorido! Você pode usar açafrão, cenoura ou ervilha, por exemplo, para variar as tonalidades.

Se o seu filho não gostar de arroz
Aposte em outros grãos integrais e, se ele for maior de 1 ano, na carne de porco.

7. BATATA
Seja a inglesa (mais comum), a vermelha ou a batata-doce, ela é uma excelente fonte de vitamina B5, que atua no metabolismo de carboidratos e proteínas e na transformação deles em energia. Ela deve estar presente na alimentação do seu filho desde as primeiras papinhas. Mas nada da versão frita! Faça cozida, assada ou em forma de purê.

Receita infalível
Que tal uma brincadeira para despertar a atenção do seu filho para esse tubérculo? Sugira o jogo da “batata quente”, mas, em vez de usar uma bola de meia ou uma almofada, use uma batata crua e aproveite para apresentar o alimento.

Se o seu filho não gostar de batata
Brócolis, ervilha e tomate também apresentam boas doses de vitamina B5, assim como a carne bovina e a de frango.



Para proteger as células


8. CARNE VERMELHA
Rica em proteínas e diversos nutrientes, como o ferro, o zinco e a vitamina B12, que mantém as células vermelhas e nervosas do sangue saudáveis. Se você é vegetariano e quer que seu filho também seja, converse com o pediatra para ver se é necessária a suplementação dessa vitamina, essencial para o desenvolvimento infantil.

Receita infalível
Bola, bolinha, bolão! Aposte nessas formas para acrescentar a carne à alimentação do seu filho de maneira divertida. Dá para fazer bolinhos de carne assados que são deliciosos e, além de tudo, a criança pode comer com a mão, coisa que elas adoram.

Se o seu filho não gostar de carne vermelha
Tente ovos, leite e seus derivados.

9. BANANA
Riquíssima em fibras e potássio, mineral que ajuda a equilibrar a quantidade de água nas células, além de regular as contrações musculares e o ritmo cardíaco. É, normalmente, uma das frutas preferidas das crianças. Uma banana-prata por dia já supre as necessidades de potássio. Tente não desperdiçar a casca! Ela possui o dobro desse nutriente do que a polpa da fruta. Reaproveite-a para fazer pão ou bolo de banana, por exemplo.

Receita infalível
Aproveite o churrasco de domingo para oferecer ao seu filho a banana de um jeito diferente. Coloque a fruta com casca na churrasqueira, até ficar preta. Depois, tire a polpa e sirva com açúcar mascavo e canela.

Se o seu filho não gostar de banana
Ofereça a ele água de coco, tomate e frutas como abacate e melancia.



Para crescer forte

10. MILHO
Em uma xícara de chá de seus grãos há a dose diária necessária de vitamina B6, indispensável ao bom funcionamento do cérebro e, portanto, para a memória e a concentração da criança. Também é essencial para as células, pois previne a formação de coágulos. Você pode fazer um gostoso creme ou bolo de milho, acrescentá-lo à salada ou oferecer a espiga cozida (sem exagerar no sal!), se seu filho já for grandinho para morder e mastigar.

Receita infalível
Que tal uma festa junina fora de hora? Essa tradicional comemoração tem várias receitas que usam milho em seu cardápio, como curau, pamonha ou apenas cozido.

Se o seu filho não gostar de milho
Peixe fresco, nozes, cereais integrais, melancia, soja e carne de soja são outras fontes de vitamina B6.

11. ESPINAFRE
Rico em vários nutrientes, entre eles o zinco, conhecido como “mineral da inteligência”. Ele atua no controle cerebral, sendo importante também para a memória e a concentração. Três colheres de sopa por dia já bastam e você pode prepará-lo de diversas formas, como em molhos, recheio de massas e tortas, sopas, cremes... Assim seu filho não vai poder reclamar de comer todo dia a mesma coisa!

Receita infalível
Faça da sua ida à feira ou ao supermercado um passeio com seu filho. Peça a ajuda dele para escolher os alimentos e aproveite para ensinar o nome de cada um. Não se esqueça de falar que o espinafre pode ajudá-lo a aprender ainda mais na escola!

Se o seu filho não gostar de espinafre
Carnes vermelhas, sardinha, soja e feijão também possuem boas doses de zinco.



Para o machucado sarar mais rápido

12. ALFACE
Essa verdura indispensável em qualquer saladinha básica é rica em vitamina K, nutriente essencial para a coagulação sanguínea, para a prevenção de hemorragias e para garantir a saúde dos músculos. Varie os tipos da folha (lisa, crespa, roxa, americana) para seu filho não enjoar.

Receita infalível
Escolha um dia da semana e, no lanche, faça a “hora do sanduíche”. Pode ser de pão sírio com atum, hambúrguer (de carne ou soja) com queijo e tomate... qualquer opção pede uma folha de alface. E provavelmente seu filho não vai reclamar!

Se o seu filho não gostar de alface
Experimente oferecer outros vegetais de folhas verdes, como brócolis e espinafre.

13. MAMÃO
Essa fruta popularmente conhecida como aliada no combate à prisão de ventre também tem propriedades anti-inflamatórias e cicatrizantes. Isso porque, além de ser fonte de vitamina A, ela é rica em vitamina C e papaína, uma enzima que torna mais rápido o processo de cicatrização. Ela está mais presente na parte interna da casca, por isso, quando seu filho voltar da escola com o joelho ralado, corte um pedaço da casca do mamão e coloque sobre o machucado três vezes ao dia, por aproximadamente 15 minutos.

Receita infalível
Sabe aqueles biscoitos em forma de estrela, flor e coração? Você pode fazer isso com o mamão (e outras frutas). Use os próprios cortadores de biscoito, facilmente encontrados em lojas de utensílios para festa ou cozinha.

Se o seu filho não gostar de mamão
Aposte em tomate, couve e repolho.



Para enxergar melhor

14. CENOURA
Rica em vitamina A, conhecida como “vitamina da visão”. Ela leva esse nome porque tem papel importante na manutenção do globo ocular e estimula a produção da púrpura visual, que auxilia na percepção de cores e formas. Prefira oferecê-la cozida ou assada (um pires de cenoura cozida por dia é suficiente), pois o calor aumenta a absorção dessa vitamina. Se quiser, apenas lave e raspe levemente a casca, pois é ali que se encontra a maior quantidade de vitamina. Vale lembrar que se seu filho comer cenoura todo dia não quer dizer que não vá ter problemas de visão no futuro.

Receita infalível
Bolo de cenoura com cobertura de chocolate é, sem dúvida, uma excelente tática, mas não vale recorrer a ela toda vez que quiser oferecer esse legume ao seu filho. Uma boa dica são aquelas cenourinhas baby em palito, que são fáceis de carregar e práticas na hora de comer.

Se o seu filho não gostar de cenoura
Outros alimentos de tons amarelo ou alaranjados, como abóbora, manga e pêssego, são boas pedidas.

Precisa de mais?

Posso dar suplementos para o meu filho? A resposta vai depender muito de cada caso e só o pediatra pode dizer. “Existe a crença de que vitaminas aumentam o apetite e o ânimo da criança, mas isso nem sempre é verdade. Suplementos mal indicados podem fazer mal”, afirma a pediatra Denise Lellis. Segundo ela, a única suplementação de rotina são as vitaminas A e D em gotas, para bebês desde 14 dias de vida até 2 anos de idade. O objetivo é suprir a falta de vitamina A (carente em 30% das crianças devido ao rápido crescimento e à maior incidência de doenças infecciosas nessa faixa etária) e evitar o raquitismo nas regiões Sul e Sudeste do país, que recebem menor incidência de raios solares (principal fonte de vitamina D).

Fontes consultadas: Christiane Araujo Chaves Leite, pediatra membro do Departamento de Nutrologia da Sociedade Brasileira de Pediatria; Elza Mello, nutróloga da Associação Brasileira de Nutrologia; Juarez Nunes Callegaro, psiquiatra e autor de Mente Criativa: A Aventura do Cérebro Bem Nutrido (Ed. Vozes); Pat Feldman, culinarista e autora do site Crianças na Cozinha; Rachel Francischi, nutricionista da Casa Moara, em São Paulo (SP); Sônia Tucunduva Philippi, nutricionista e professora da USP; Susy Graff, nutricionista da Nutrikids, em São Paulo (SP); Victor Nudelman, pediatra do Hospital Israelita Albert Einstein, em São Paulo (SP).

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

20 maneiras de demonstrar a seu filho que você o ama

Enquanto não encontramos nenhuma expressão melhor que “Eu te amo”, podemos recorrer a algumas ações que dizem mais do que as palavras.

Aqui, damos ideias de 20 pequenos gestos que vão dizer aos seus filhos o quanto são especiais para você!

1. Encontre-os fora de casa

Que tal levar seus pequenos para um restaurante e fazer um happy hour tomando milkshakes?! Esta ideia é bacana para os pais que possuem um bebê em casa e uma criança, que sempre fica mais carente. Ótima ideia para agradá-la.

2. Encontre-os para almoçar

Uma ideia legal é almoçar com os filhos. Em grandes cidades, é mais difícil almoçar em casa – mas você pode descobrir o horário de almoço das crianças na escola e pegá-las para um almoço em um bom restaurante.

3. Conte histórias sobre eles

As crianças adoram ver fotos de quando eram bebês. Pegue os álbuns que tiver em casa, aproveite para contar histórias para eles de como eram, o que faziam e o que gostavam quando pequenininhos.

4. Deixe recadinhos carinhosos para eles

Deixe recados com mensagens de amor para seus filhos. Pode ser em qualquer lugar: na geladeira, em alguma escrivaninha, em suas roupas, na cama e, até mesmo, no travesseiro.  Essa é uma ideia legal para quando saimos com os amigos à noite (e sabemos que vamos chegar quando já estiverem dormindo).

5. Desenhe em seus lanches (da lancheira)

Você já viu alguma notícia sobre pais que desenham ou deixam mensagens nas lancheiras dos filhos? É uma ideia fofa – e não dá trabalho nenhum. Eles vão amar.

6. Espere por eles ao chegarem da escola

Para alguns pais é difícil, mas não tem nada mais gostoso que esperar os filhos chegarem das escolas na porta e dar um abraço apertado neles. Muitas pessoas já relataram que o abraço da mãe após a escola significou muito mais a elas do que qualquer outra coisa em suas infâncias.

7. Coloque uma foto engraçada em suas mochilas

Na mochila, no bolso da calça ou da jaqueta: qualquer lugar vale para este gesto de amor e diversão compartilhados. Quando encontrarem uma foto (pode ser a de vocês juntos fazendo uma careta, por exemplo), eles vão se divertir, poder mostrar aos amigos e colecionar!

8. Faça elogios sobre eles para outras pessoas

Divida com uma turma de pessoas um elogio relacionado ao seu filho – quando ele puder te ouvir. Algumas vezes, eles se sentem desconfortáveis ao ouvirem elogios, mas você pode fazer isso quando não estão no mesmo ambiente (mas irão ouvir você de qualquer forma).

9. Faça sanduíches divertidos

Não só os sanduíches, mas há diversas maneiras de fazer um prato divertido para as crianças. Invente animais, formas, carinhas... Seja lá o que for! As crianças se divertem e sentem ainda mais vontade de comer aquilo que você preparou a elas.

10. Tenha uma palavra secreta

Um gestou uma palavra secreta pode ser um código entre você e seu filho. Invente algo que diga “eu te amo”, por exemplo, apenas para vocês entenderem.

11. Dê um objeto que crie um significado para eles

Não precisa ser um presente, algo de valor. Pode ser uma pedra em forma de coração, um souvenir, algo simbólico que torne simbólico e diga a eles que estão juntos mesmo quando você não está presente.

12. Escreva um diário com eles


Que tal escrever um diário a muitas mãos com seus filhos? De preferência, inicie em Janeiro, mas pode ser no começo de um mês próximo. As mensagens divididas naquele diário podem trazer belos sentimentos, agradecimentos e histórias incríveis. Lembre-se de agradecer no diário a tudo o que seu filho faz por você.

13. Escreva Post-it para eles

A rotina de pais e filhos pode, muitas vezes, não coincidir. Por isso, é bom fazer umas mensagens e esparramá-las em lugares que você tenha certeza que seus filhos vão ver pela manhã. Por exemplo: pasta de dente, espelho, em frente a porta etc.

14. Ignore ligações para ficar com eles


Hoje é fácil ver quem está ligando. Nos celulares, nas binas do telefone... Então, se for algo urgente, você saberá. Fora isso, desligue o telefone, ignore! As crianças vão perceber que você está dando atenção exclusiva para elas.

15. Assista a algumas aulas deles


É tentador tirar um tempo para você – ou seu trabalho – enquanto as crianças estão em aulas extracurriculares. Mas, eles vão adorar saber que você está lá, assistindo a alguma aula, participando daquele momento.

16. Ligue para eles quando estão longe

Quando os pais viajam a trabalho ou mesmo a passeio (ou quando as crianças estão viajando de férias ou visitando parentes em fazendas, ou outras cidades), ligue para eles durante o dia. No mínimo, mande mensagens de texto para as crianças saberem que você está pensando nelas e sente saudades.

17. Desenhe no espelho deles
Lápis de olho, batom, lápis de boca. Seja lá com o que for, aproveite a maquiagem velha, que você não usa e desenhe carinhas, beijinhos ou escreva mensagens carinhosas no espelho do quarto/banheiro de seus filhos.

18. Lembre-se das coisas que eles gostam

As crianças adoram quando vêem que você dá atenção às coisas que elas gostam, pedem, e, que depois, são lembradas e discutidas. Quando elas propõem um tema para a festa de aniversário, por exemplo, e meses depois você cita o pedido... Os rostos delas se abrem de alegria.

19. Mande cartas a eles

Cartas são pouco usadas hoje em dia. São baratas e fazem a alegria dos pequenos que, acreditem, vão adorar receber uma carta em seus nomes.

20. Abrace seus filhos


Abrace-os tão forte até reclamarem. Lembre-se de se abaixar quando for abraçá-lo para o laço ser ainda mais forte e completo. Se você só abraça as crianças quando está de pé, eles só vão abraçar suas pernas e você só vai sentir a cabeça delas. É mágico senti-las bem juntinho.


quarta-feira, 13 de novembro de 2013

Família Saudável

Passear de bicicleta, fazer refeições criativas, rir alto – é fácil 
se divertir e ser saudável com a ajuda entre pais e filhos 


Que tal fazer programas saudáveis?

O clima ameno é convite para programas ao ar livre – o máximo possível! Uma boa ideia é passear de bicicleta com toda a família. As crianças vão adorar e você vai se sentir uma supermãe. Uma ideia para as famílias com pequenos menores de 3 anos, é usar aquelas cadeirinhas de carona, assim, todos poderão participar.

Este tipo de programa é ideal, pois proporciona diversão e saúde ao mesmo tempo: uma forma inteligente de ensinar as crianças – e, aos poucos, o exercício pode ser adotado na rotina de todos.

Outra dica: pergunte para outros pais e mães, faça roteiros de diferentes caminhos e lugares. Isso vai inspirando sua família a florescer corpo, mente e espírito.

O poder do aconchego

O poder do toque é quase indescritível. Ele ajuda intensamente na construção de laços fortes. Por isso, abraçar é um ótimo remédio. Dê fortes abraços em suas famílias. Sabe aquelas bagunças na cama? Pilhas de mãe, pai, criança, guerrinha de travesseiro (mas com calma!)... Enfim, muitas risadas podem surgir deste aconchego e brincadeira deliciosa!   O estresse do dia vai embora rapidinho.

Música: seja lá qual for, uma boa pedida!

A música deveria ser algo obrigatório na rotina de qualquer família. Elas impulsionam o humor, ampliam os horizontes culturais, ajudam as crianças a enfrentar desafios... E, vá lá, quem nunca foi salvo de um trânsito insuportável ao ouvir boas músicas com os filhos no carro?

Uma boa ideia também é a família criar suas próprias canções. Para os pequenos, é uma forma de estímulo e de comunicação, uma vez que eles relacionam certa canção com a hora de escovar os dentes ou dormir, por exemplo.

Equilíbrio: não só de atividades e competições vive a criança feliz

Embora seja importante incentivar e apoiar os esforços dos pequenos na escola e nas atividades extracurriculares, os pais mais inteligentes percebem que, uma superabundância de competição, ou ênfase exagerada no alto desempenho, pode ser mais prejudicial do que nutritiva. É importante arranjar tempo para atividades que não têm outro objetivo do que desfrutar os membros da família. Para isso, dá para cozinhar, jogar, fazer caminhadas... E, quem sabe?, participar de um trabalho voluntário juntos. Este tempo em família ajuda na intimidade, na construção do laço entre pais e filhos.

Além disso, as crianças podem se sentir mais completas, tendo sucesso em outras áreas. Quando as crianças confiam que seus pais vão valorizá-los, não importa em quê, eles são livres para assumir riscos saudáveis.

Sim, eles comem bananas!

Criar o hábito da alimentação saudável é um desafio – mas não é como dizem. Quando comer bem é rotina, as crianças vão ter o custume de, sozinhas, irem pegar comidas saudáveis na geladeira. O legal é manter este tipo de comida ao alcance dos olhos, como uma tigela de frutas em cima da mesa ou um saco de frutos secos no carro. Lembre-se que crianças são herbívoras, naturalmente, de forma que a naturalidade da alimentação, ao deixar que elas mesmas procurem o alimento, é mais fácil do que brigar à mesa.

Christine Garcia, um especialista em relações públicas e mãe de quatro meninas em Elmhurst, Illinois, define alimentos saudáveis ​​como cenoura, brócolis, queijo e frutas em uma lata de muffin para suas filhas para roer enquanto ela está fazendo o jantar. Dessa forma, "Uma vez que o jantar está acabado Eu sei que eles têm pelo menos já comeu legumes e outro bom-para-lhes lanches", diz ela.

Famílias saudáveis cozinham juntas

Crianças e pais na cozinha juntos: uma ótima chance de passar hábitos alimentares saudáveis​​. Além de ensinar a cozinhar, você pode estimular a criança a entender sobre medidas, trabalho em equipe e capacidade de improvisação, e muito mais. Fale sobre os alimentos e os benefícios enquanto coziam. Vai ser um aprendizado gostoso!

Crianças que ajudam na preparação da comida podem se tornar “comedores mais aventureiros”, mais dispostos a experimentar. Sempre que possível, tente encorajá-los a provar tudo o que vocês fazem, pelo menos com uma mordida.

O Chef do dia

Uma ideia interessante é deixar a “responsabilidade” para as crianças da escolha e, porque não?, preparo da refeição – uma vez na semana. Vale o jantar da sexta-feira ou mesmo no fim de semana. Ao ajudar toda a família para seus objetivos alimentares saudáveis​​, as crianças ganham um sentido de autoridade e responsabilidade.

O bom comportamento é recompensado

Disciplinar as crianças pode ser difícil e não tem receita, cada um vai descobrir a melhor maneira em sua casa. Pequenas recompensas podem ser uma boa maneira de ensinar aos filhos que a disciplina vale à pena. Aos poucos, as tais recompensas (e não se trata de recompensa material, necessariamente. Vale um cinema em família, um almoço fora de casa etc) vão sendo escassas e, depois, extintas.

Seguindo o cronograma

Pode parecer chato e entediante, mas a rotina a e a disciplina do dia a dia são importantes para a criança de uma família saudável e feliz. Mas, lembre-se de que os momentos de relaxar e de interação e conversa entre os membros da família devem fazer parte da rotina. Um bom exemplo é criar o costume de que tenham um horário de refeição juntos, seja o café da manhã, o almoço ou o jantar. Esses hábitos são importantes, a boa comunicação e sociabilidade começam em casa. O bom de seguir horários e regras é que as crianças terão menos dificuldades, por exemplo, para dormir na hora certa.

Dancem!

A dança é uma ótima forma de descontração, de relaxamento, de interação, de aprendizagem de ritmo, melodia... e de afeto! Que tal dançar juntos? Vale uma casa de shows, ou mesmo, dançar em casa, em frente à TV ou ao som de um ritmo preferido por todos. Pode ter certeza que é impossível não sair feliz dessa!

Famílias saudáveis leem rótulos

Ir ao supermercado com os filhos pode ser uma ótima oportunidade de trabalhar a importância da alimentação saudável, por meio da escolha certa dos melhores alimentos. Uma das dicas legais para que as crianças comecem a entender desde cedo sobre nutrição, saúde e economia é ler o rótulo dos alimentos, procurar por aqueles mais naturais e menos gordurosos, por exemplo. Quando se trata daqueles alimentos adorados pelos pequenos, mostre a eles que sempre há uma opção melhor a se escolher.

Ler e escrever juntos

Estudos mostram que as crianças com o hábito de leitura têm melhores notas na escola. O costume pode ser criado desde pequenos, mesmo quando não sabem ler: pais e mães que contam histórias podem ensinar aos filhos o quão gostoso pode ser o momento da leitura. Tire um horário para isso, pode ser antes dos pequenos dormirem.

Nada melhor do que dar muita risada

Mesmo as famílias mais felizes têm momentos de muita tensão, claro. Mas, como fazer para lidar com as dificuldades com humor? A família pode ser a chave disso. Contar boas notícias, piadas e relembrar boas histórias podem fazer com que um mau humor acabe rapidinho. Vale ver um filme de comédia e algo leve em família, afinal, o nosso mau humor não modifica a vida – e só faz com que os outros se afastem de nós!

Famílias felizes dão o valor necessário para todos

Crianças sentem-se felizes quando são valorizadas, importantes. E não há melhor maneira de incentivar isso do que dar a oportunidade a elas de contribuir com suas competências e habilidades únicas em torno da casa. E vale de tudo: ajudar a organizar a coleção de livros, ajudar o irmão caçula em alguma lição de casa... Enfim, é importante fazer elogios aos pequenos e, mais do que isso, valorizar o que fazem para a harmonia da casa. 

Mantenha a chama viva!

A relação de mãe e pai é a base de uma família feliz. Vocês são os modelos para os filhos de como homens e mulheres se comportam: segundo a interação que têm, o afeto que demonstram um ao outro, como resolvem os problemas, se trabalham juntos e, claro, como mantém a casa e a família.  Para crescerem crianças amorosas, elas têm de ver um modelo de pai e mãe amorosos. Simples gestos valem: mãos dadas, abraços, cafuné. Crie manifestações de carinho ao seu parceiro para que as crianças entendam o quanto o afeto é importante para o bom relacionamento.